Murici | AL
29° máx / 21° min
Um ou dois aguaceiros breves

notícias / alagoas

Compartilhe
05.10.2018 - 09H42
Mais de 1.300 empresas de AL sofreram golpe que simulava quitação de impostos



Mais de 1.300 empresas de Alagoas do regime Simples Nacional e cerca de 30 empresas de grande porte caíram no golpe de uma quadrilha que simulava a quitação de impostos federais. O esquema foi desarticulado pela Receita Federal (RF) em vários estados do país e os prejuízos para a arrecadação giram em torno de R$ 5 bilhões.

A Operação Fake Money recebeu esse nome em alusão ao esquema que a organização criminosa usava para aplicar o golpe, usando falsos títulos públicos para oferecer redução de dívidas tributárias. "Era um esquema poderoso, que contava com empresa de assessoria e, também, contava com vários profissionais das áreas jurídica e contábil", informou o delegado da Receita, Plínio Feitosa.

Os crimes aconteceram em vários estados do país e foram descobertos através de sistemas internos de fiscalização do órgão federal. A quadrilha trabalhava como uma espécie de consultoria fiscal e tributária. Eles ofereciam serviço para ajudar a renegociar as dívidas das empresas com a Receita Federal. A empresa contratava a quadrilha e fazia todos os pagamentos diretamente a ela. Os bandidos recebiam, também, todos os dados necessários para entrar no sistema e enviar cartas de crédito falsas para comprovar o suposto pagamento à Receita.

Deste modo, as empresas acreditavam que haviam quitado a dívida, mas, quando a Receita fazia essa revisão da carta de crédito, percebia que havia sido um golpe. "Por exemplo, em uma dívida de um milhão de reais, eles recebiam por ela setecentos mil. Então, ganhariam eles com esse dinheiro e, também, o contribuinte que deixou de pagar, ganhando trezentos mil", reforçou Plínio.

Para desarticular a organização criminosa, a Receita contou com o apoio da Polícia Federal (PF) e do Ministério Público Federal (MPF). Cinquenta mandados já foram cumpridos, sendo 16 de prisão e 34 de busca e apreensão nos estados de São Paulo, Minas Gerais e Paraná. Além do mentor do esquema, foram presos empresários, advogados, economistas, consultores e contabilistas. Os prejuízos para a arrecadação giram em torno de R$ 5 bilhões e afetaram mais de 3 mil contribuintes no país.

Não houve prisão em Alagoas, porém, mais de 1.300 empresas do Simples Nacional e outras 30 de grande porte que foram vítimas do golpe vão ter que retificar a arrecadação e pagar o que devem à Receita. Por enquanto, ainda não é possível afirmar se alguma delas têm envolvimento no esquema.

Ainda conforme o delegado da Receita, apenas as empresas do Simples Nacional foram notificadas, mas ainda não é possível informar os prejuízos provocados pelo golpe em Alagoas. "Torna-se bastante difícil, porque cada empresa está em uma alíquota diferente, uma situação diferente, e o cálculo é feito levando em conta a receita bruta dos últimos 12 meses", pontuou Plínio Feitosa.