Murici | AL
29° máx / 21° min
Um ou dois aguaceiros breves

notícias / brasil

Compartilhe
24.04.2018 - 10H41
Bebê esfaqueado no colo do pai fez um ano no dia do ataque: 'Irmãos viram tudo'

Bebê esfaqueado no colo do pai fez um ano no dia do ataque: 'Irmãos viram tudo'

Criança e pai estão internados no Hospital Regional de Sorocaba (SP). Agressor ainda não foi localizado. COMENTE

 Por G1    24/04/2018 08h33

Menina de um ano está internada em estado grave em Sorocaba

FOTO: REPRODUÇÃO / FACEBOOK

O bebê esfaqueado no colo do pai durante uma confusão em uma festa, em Sorocaba (SP), completou um ano no dia do ataque, no domingo (22). A festa em comemoração ao aniversário foi realizada na véspera da discussão, segundo disse ao G1 a mãe da criança, Ariel de Figueiredo.

O pai do bebê, de 24 anos, também foi ferido no tórax e teve o pulmão perfurado. Ambos estão internados no Conjunto Hospitalar de Sorocaba (CHS).

O G1 solicitou o estado de saúde atualizado de Jhenifer Cristina Figueiredo de Sousa e Cleiton Ferreira de Sousa, mas a Secretaria Estadual de Saúde não se manifestou até as 8h desta terça-feira (24).

Ainda bastante abalada com o ataque, que ocorreu durante o chá de bebê de uma vizinha da família, Ariel conta que está se dividindo nas visitas ao marido e a filha, e nos cuidados aos outros dois filhos, uma menina, de 3 anos, e um menino, de 4.

"Os irmãos viram tudo [ataque]. Eu estava ao lado e consegui pegar minha filha e sair correndo", conta emocionada.

A menina foi socorrida no pronto-atendimento do Parque Laranjeiras e encaminhada ao CHS em seguida.

Ariel afirma que a filha sofreu uma parada cardíaca antes da transferência e no hospital passou por cirurgia, onde permanece em observação na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

A Polícia Militar informou que foi acionada para atender a ocorrência e fez rondas pelo bairro, mas não localizou o agressor. Conforme apurado pelo G1, o suspeito seria um homem cuja família mora no Parque Laranjeiras.

Ariel conta que antes do ataque, o agressor disse que procurava os responsáveis por uma agressão que sofreu. "Não sabemos quando teve essa briga e nem se teve. A gente não conversa com ele, conhece só de ver no bairro."