Murici | AL
29° máx / 21° min
Um ou dois aguaceiros breves

notícias / espiritualidade

Compartilhe
07.01.2018 - 13H50

Tentação e Virtude - Enviado por Francisco Augusto - Murici

Quando a criatura retém enorme fortuna, podendo claramente desmandar-se na avareza, aplicando-se tão só ao gozo pessoal, e procura utilizá-la no progresso e no bem estar dos semelhantes…

Quando a pessoa dispõe de autoridade para manejar, em seu exclusivo proveito, a influência de que desfruta, mas, ao invés disso busca empregá-la no auxílio aos outros…

Quando um homem ofendido se vê com meios suficientes para vingar-se, pela forma que julgue mais razoável, e perdoa de coração a ofença recebida, reconhecendo-se, igualmente passível de errar…

Quando alguém já fez por outrem todos os benefícios que se lhe faziam possíveis, recolhendo invariavelmente a incompreensão por resposta, e prossegue amparando esse alguém, na medida de seus recursos, sem exigência e sem queixa…

Em verdade, semelhantes companheiros terão vencido as maiores tentações que lhes assediavam a vida.

Todos nós – espíritos ainda em evolução e resgate – somos experimentados nos temas do caminho terrestre, em cuja vivência temos caído de outras vezes…

Isso acontece, porque, em muitas circunstâncias, as nossas provações assumem na escola humana a forma de testes indispensáveis.

Há quem renasça ostentando atrações físicas para superar a inclinação para o desregramento; portando um cérebro privilegiado para vencer a vaidade da inteligência; retendo múltiplas titulações acadêmicas para subjugar a propensão para o abuso; exercendo em cargos difíceis, em causas nobres da humanidade para extinguir o impulso da traição ou deslealdade.

Cada um de nós, onde esteja, é examinado pela Vida Superior nas tendências inferiores nas quais já faliu em existências passadas e apenas conseguiremos a vitória sobre nós mesmos, quando repetirmos as operações do bem sobre o mal que nos procure, tantas vezes quantas sejam necessárias, mesmo além do débito pago ou da mancha extinta.

Fácil, por isso, reconhecer que sem o toque da tentação a virtude realmente não aparece, e assim será sempre, de vez que toda inocência será levada, hoje, amanhã ou depois, ao cadinho da luta, a fim de que não permaneça na condição de flor improdutiva no vaso lindo, mas inútil, da ingenuidade.

Emmanuel 

Psicografia de Francisco Cândido Xavier

Livro: Rumo Certo